Como enfrentar a depressão pós parto?

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

depressão pós partoA depressão pós parto é uma doença que afecta uma em cada dez mulheres e que é muito comum. Existem milhares de mulheres que sofrem em silêncio por este problema, pelo que devem ser devidamente tratadas para que este problema não se prolongue por meses ou anos seguidos.

Este tipo de depressão surge entre o terceiro e o sétimo dia após o parto e em situações “normais” pode durar até 30 dias, podendo também manifestar-se meses após o nascimento.

Não se sabe exactamente porque acontece, mas em alguns casos é atribuída às mudanças hormonais sofridas pela mãe após o nascimento, pois acontece mesmo em casos em que a gravidez era desejada e o bebé está em perfeito estado de saúde.

 

Quais são os sintomas da depressão pós parto?

Geralmente os factores principais são a tristeza e a angustia, fadiga, irritabilidade, ansiedade, falta de interesse com o bebé, insónia, hipersensibilidade e perda de apetite. Apresenta-se com sintomas próprios de um estado depressivo e a mãe é afectada por pensamentos que chegam a ser irracionais, sobre a forma como irá cuidar do seu filho, insegurança em relação ao marido, responsabilidade e inquietação sobre a forma de se organizar.

Ao sentir que o bebé a procura, sente-se incapaz de lhe responder, fechando-se em si mesma num estado de angústia que pode durar meses.

 

O que se deve fazer para enfrentar a depressão pós parto?

Quando uma mãe cai numa depressão pós parto, muitas vezes a família não sabe como a ajudar, sendo recomendável recorrer urgentemente a ajuda médica especializada, e ajudando-a a cuidar do bebé o máximo possível, uma vez que a mãe não se encontra em condições de tomar conta sozinha da criança.

A mãe deve saber o que lhe está a suceder, que é normal e tem tratamento. O apoio do marido é fundamental para a fazer sentir segura da sua ligação, ser carinhoso e mostrar-se voluntarioso a cuidar do bebé.

É preciso entusiasmá-la a realizar as tarefas que possa fazer a tomar conta do bebé, sendo muito importante não se esquivar das suas responsabilidades para com a criança, nem dramatizar nada.

A chave para a melhoria é detectar a depressão a tempo, o mais cedo possível, existindo nalguns casos factores hereditários para esta situação, pelo que deve ser indagado junto da família sobre situações semelhantes que eventualmente possam ter ocorrido.

As mulheres com depressão pós parto jamais fariam mal aos seus filhos, uma vez que o que mais as preocupa é não conseguir tomar conta deles ou dar-lhes tudo o que precisam.

O apoio familiar é fundamental e com a ajuda de um profissional é possível sair desta situação, sem nenhum problema na maioria dos casos.

Deixe o seu comentário