Consequências do excesso de proteção sobre as crianças

Consequências do excesso de proteção sobre as crianças
A paternidade pode ser uma tarefa altamente complexa mas gratificante. Os pais geralmente querem o melhor para os seus filhos e esperam que eles sejam felizes, amorosos e produtivos. À medida que envelhecem, novos desafios surgem e os pais têm o dever de lhes proporcionar mais independência. Muitos continuam a ver os seus filhos através dos mesmos olhos que viam quando tinham três anos de idade, mas cada fase de desenvolvimento traz mudanças profundas na interação e necessidades da criança. À medida que envelhecem, deixam de esperar para serem detidos, e na adolescência, muitos pais já não são a maior influência na vida dos seus filhos. Começar a largar as crianças não é fácil, mas é necessário, uma vez que as crianças ou os adolescentes devem aprender competências cruciais para o seu crescimento pessoal.
Por vezes, quando um pai superprotege o seu filho, ele ou ela pode estar a travar o desenvolvimento destas competências. Os pais podem por vezes envolver-se demasiado nas atividades dos seus filhos, tais como dar-lhes tarefas, não lhes permitir enfrentar as consequências dos seus atos, ou, na adolescência, tirar-lhes toda a privacidade. Estes tipos de ações podem indicar que estamos a ultrapassar alguns limites.
Quando atravessamos as fronteiras que devem estar presentes entre pais e filhos, encorajamos as crianças a não aprenderem a adaptar-se às suas respectivas fases de desenvolvimento. Os filhos de pais demasiado envolvidos são predispostos à ansiedade. Podem ter preocupações excessivas e constantes sobre o seu desempenho académico, as suas relações com amigos, e a sua participação em atividades extracurriculares. Podem também ter baixa auto-estima, medo de constrangimento, de cometer erros, ou de conhecer novas pessoas. Esta pressão ou stress constante pode impedi-los de funcionar no seu melhor. Outros sintomas que podemos ver incluem a recusa de ir à escola, queixas de dores de estômago ou outras afecções, apego excessivo aos pais, birras temperamentais, e alterações nos padrões de sono. Se estiver preocupado com as dificuldades que a ansiedade está a causar ao seu filho, deve consultar um pedopsiquiatra ou um profissional de saúde mental.
Isto não significa que nos devemos sentar e não participar na vida dos nossos filhos. Devemos prepará-los para a resiliência e o sucesso em todas as fases da vida. O nosso papel é proporcionar um ambiente seguro cheio de amor, respeito, confiança, e honestidade.  Devemos ensiná-los a cumprir as suas responsabilidades académicas, fazer tarefas em casa, viver segundo regras, e ter uma relação onde a criança se sinta livre para expressar as suas preocupações. Estes processos graduais e complexos são alcançados enquanto se passa tempo com eles durante as refeições, se lê uma história, nas férias e se brinca com eles. A construção precoce desta base de confiança pode diminuir os factores de risco. Desta forma, quando os seus filhos estiverem na adolescência, serão capazes de lidar com a adversidade e poderá encorajá-los a atingir o seu pleno potencial.

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.