Portugal é o 15.º melhor país para se ser mãe

Portugal aparece nos primeiros lugares do Índice de Maternidade que mede e compara o bem-estar de mães e nascituros em 165 países. É o 15.º melhor país para se ser mãe e o 13.º melhor para ser mulher ou criança, conclui a associação "Save the Children".

A associação humanitária "Save the Children USA" divulgou o Índice de Maternidade, que mede através de critérios como a presença de pessoal qualificado durante parto, o acesso das mulheres a contraceptivos e à paridade de género e divulgado no relatório "Estado das Mulheres do Mundo".

No Índice de Maternidade, Portugal ficou na 15.ª posição, atrás de França e à frente de Espanha, revela o relatório que compara as diferenças entre a Noruega, que ocupa a primeira posição deste índice, e o Níger, último classificado.

Portugal ocupa ainda o lugar 13º em relação às condições para ser mulher e a mesma posição para se ser criança.

As mães do Níger perdem um em cada sete dos seus filhos antes destes completarem cinco anos de idade e cerca de um terço das crianças sofre de subnutrição, revela o relatório elaborado com dados recolhidos por organismos internacionais como as Nações Unidas e a União Inter-parlamentar.

As raparigas nascidas na Noruega estudam, em média, durante 18 anos. Já uma rapariga nascida no Níger estuda, em média, quatro anos, menos do que o período médio de cinco anos, no caso dos rapazes nascidos no Níger.

Portugal está na primeira metade do ranking formado pelos 45 países com maior desenvolvimento, segundo a “Save the Children”, numa parte do índice que é dominada por outros países da Europa, Austrália (que está em sétimo lugar) e Nova Zelândia (em sétimo lugar).

Este é o décimo terceiro relatório que a “Save the Children” edita sobre o “Estado das Mulheres no Mundo”, com o intuito de promover o bem estar das crianças, diz e líder da associação em mensagem publicada no relatório.

“Mais de 90 anos de experiência no terreno demonstraram-nos que quando as mães têm cuidados de saúde, educação e oportunidades económicas, tanto elas como os seus filhos tem as melhores probabilidades de sobreviver e serem prosperar”, diz Carolyn Miles.

Via Jornal de Negócios

Deixe o seu comentário

Os cookies ajudam-nos a fornecer os nossos serviços. Ao utilizar os nossos serviços, concorda com a utilização de cookies. Saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close